quinta-feira, setembro 14, 2017

O último mergulho

Deixa-me mergulhar, uma última vez
Fechar os olhos e me atirar
Até que o mar encha todos os meus poros
E tudo que eu sinta seja apenas água

Deixa-me sentir, uma vez mais
Algo que engula-me por inteiro
Que me consuma, por dentro e por fora
E afogue qualquer outra sensação

Deixa-me ver um vermelho tão intenso
Que marque, para sempre, minhas retinas
Até que eu não consiga ver nenhuma outra cor
A não ser o rubro carmesim

Deixa-me encontrar o tesouro que tanto anseio
Tão precioso que me faça trocar tudo por ele
Bens, nome, pessoas, a própria alma
Pelo extremo que tanto quero desfrutar

segunda-feira, dezembro 22, 2014

A maior mentira já contada...é a de que há conserto para tudo nesta vida.

A esperança dura...até o momento em que você se depara com algo que não tem conserto.

segunda-feira, novembro 10, 2014

Sinfonias...


Ao fundo, um leve sussurro
Quase um silêncio, um sopro
Uma voz do céu me exorta
A dobrar os joelhos e mirar o céu

Tão suave ela é, que mal a entendo
Exigente, demanda toda a minha atenção
Mas logo me canso, divago, me perco
E a voz volta a ser leve respiração

E logo ouço milhares de vozes
Uma sinfonia de músicas e sons
Sedutoras como o canto das sereias
Afagando meus ouvidos, roubando meu coração

Como pode um simples sussurro
Abafar orquestras inteiras?
Sons harmônicos e atonais
Músicas para qualquer plateia?

Ah, se pudesse, como o desejo!
Embarcar em todas as sinfonias
Viver mil vezes e experimentar
O pulsar de cada canção!

Ou escolher apenas uma e deixar-me conduzir
Perder-me nas notas, sejam elas quais forem
Guiado apenas pelas vozes que soam tão claras
A ponto de fazerem até meus ossos tremerem!

Quem me salvará? Quem me deterá?
Quem me levará de volta às câmaras do silêncio
Onde o suave sopro pode, de novo, ser percebido
Para que ouça, mais uma vez, a voz do Santo?